Image Map

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

O que terá acontecido a Doris Day?




Por Chris White para o jornal Daily Mail
Traduzido por Jessica Bandeira

O sorriso de orelha a orelha é o mesmo, assim como os grandes olhos azuis que um dia encantaram a América.

Essas fotografias íntimas dão uma visão fascinante  de Doris Day, estrela de cinema reclusa, e de sua vida após Hollywood, revelada pelo homem que cuidou dela por quase 40 anos. Pela primeira vez, Sydney Wood nos deu acesso a seu precioso álbum de fotografias, do tempo em que trabalhou para Doris – e revelou seus receios pela mulher um dia conhecida como a queridinha da América. Sydney, 71 anos, foi o assistente pessoal da estrela, guarda costa e confidente mais próximo e, quebrando seu silêncio, disse ao MailOnline: “Doris não é o que costumava ser e atualmente vive confinada em sua casa na maior parte dos seus dias”.
“Ela costumava ter as pessoas certas cuidando dela. Só que agora sua casa está cheia de pessoas diferentes, que estão com ela porque ela é a Doris Day. Temo que eles não estejam cuidando dela direito”.

Nascido e criado em Suffolk, Sydney coordenava o fã clube de Doris Day na Inglaterra e trocava cartas e telefonemas com a atriz-cantora antes que ela lhe pedisse para trabalhar para ela em 1979. Apesar de evitar a fama e isolar-se, a vida da estrela ainda incluía visitas surpresas de Sir Paul McCartney e ligações de seu antigo admirador, o presidente Ronald Reagan – além de sanduíches de presunto no café da manhã.

Depois de tomar a decisão de se aposentar dos filmes em 1968, Doris se mudou para uma propriedade de 11 acres no estado de Carmel, na Califórnia – afastando-se dos holofotes com a ajuda de um leal círculo íntimo. Ela até mesmo mudou seu nome para Clara Kappelhoff – seu nome de batismo é Doris Mary Ann Kappelhoff – e nas raras vezes em se aventurou a sair de casa, foi vista passeando pela pitoresca comunidade sem maquiagem, com um chapéu de palha, calça de abrigo e tênis.




Sydney ainda disse que Doris, cujos filmes de grande sucesso incluem Ardida como pimenta e Confidências à meia-noite, manteve os mesmos empregados durante décadas e os tratava como amigos íntimos até recentemente. Ele revela: “Um amigo meu foi jantar com Doris recentemente e ela o serviu em pratos de papel. Isso jamais teria acontecido na minha época. Ela tinha o maior orgulho em cuidar bem da casa. Ela sempre estava fazendo ligações, recebendo ligações, saindo para tomar café da manhã, saindo para almoçar, levando os cachorros para passear”.


“Gosto da Doris e ela tinha uma vida tão ativa. Mas agora ela tem uma enfermeira vivendo com ela porque ela está nos seus 90 e tantos, sua saúde não é mais o que era”.

A maior campeã das bilheterias da história de Hollywood, Doris, conseguiu retirar-se da vida pública para se tornar uma estranha visão fugaz na mercearia ou na festa beneficente. Depois de se aposentar, ela se devotou aos seus amados cachorros e à caridade aos animais. Foi fotografada publicamente pela última vez em 2008.


Mas longe da vida mimada que Doris, quatro vezes casada, poderia ter levado – ou que se esperava que tivesse levado – Sydney fala sobre um dia comum em sua vida: “Ela descia de roupão e ia para a cozinha. Preparava sanduíche de presunto ou cereal, café ou chocolate quente, dependendo do humor, depois alimentava os animais com biscoitinhos e preparava a refeição principal do café da manhã deles. Ele até mesmo revelou que ela tinha uma lavadora no quarto: “Ela sempre dizia que era a melhor passadora de roupas. Se você lhe desse uma vassoura, não tinha jeito de tirar dela, ela adorava varrer; ela a tirava de mim quando eu estava no lado de fora varrendo”.

E quando discutiam sobre seus filmes de sucesso, Doris – sempre perfeccionista – repetia a mesma coisa: “Eu poderia ter feito melhor”.

Dinheiro não era a questão quando trabalhei com Doris, diz ele. “Eu estava ganhando mais ou menos sete dólares por hora quando comecei, o que não era muito, mas ela nunca ficou me devendo, tudo foi pago. Nunca vi a cara de uma conta até deixar de trabalhar para ela. Éramos os melhores amigos”.

Doris fez 39 filmes e gravou 29 álbuns e, ao longo de sua carreira, trabalhou ao lado de muitas estrelas, de Bing Crosby e Frank Sinatra até Cary Grant e Clark Gable.

No entanto, Sydney, que vive atualmente em Maine, em New England, disse que ela esconde a maioria dos mementos da vida que levava: “Existe literalmente milhões de memorabilia embrulhados em papel – discos de ouro, prêmios da billboard, capas de revista e todos estão guardados em caixas no quarto de hóspédes. Ela não é o tipo de pessoa que precisa mostrar o que fez na vida”.

Mesmo envelhecendo, Doris ainda estava determinada a manter sua independência, acrescenta Sidney: Ela continuou fazendo os serviços da casa. Com exceção de viagens ocasionais de um dia a San Francisco ou Monterey, Doris passava a maior parte de seu tempo “se movimentando entre sua casa e Carmel”. Sydney acrescenta: “Ela dava comida aos cachorros às 16:30; então ia para a cama e comia um snack assistindo tv. Doris assistia muitos programas da TV britânica no canal CBS e era absolutamente apaixonada por Judi Dench. Ela adorava séries de comédia, como As time goes by, sempre achou que era muito bem escrito”. Nove horas da noite era o horário de dormir naquela época.

Ela pensava que Sydney estava brincando quando o ex-beatle, Sir Paul McCartney, do nada ligou, como lembra Sydney: "Ela disse: Os Beatles? Desligue, deve ser pegadinha". E depois ela falou com ele durante 90 minutos, desligou o telefone e disse : "Ele quer vir aqui em casa. Quer ver os cachorros, gostou de um dos meus filmes e quer falar sobre minha carreira". 

Sir Paul e sua ex esposa, Heather Mills, foram até Carmel e levaram para Doris uma vaso de plantas e biscoitos feitos pela organização Girl Scouts, uma visita que durou cinco horas, como relembra Sydney: “Paul me pediu para tirar uma foto dos três. Eles se abraçaram e se despediram, não tenho ideia do que conversaram, mas tenho certeza de que deve ter sido sobre a carreira dela. Ele adorou a propriedade e o que ela fazia lá. Ele ainda telefona para ela”.

Apesar da paixão por comida, Doris mantinha uma dieta hollywoodiana: “Ela nunca comeu muito, mas sempre gastava o que comia. Ela nunca ganhou peso, ela tem o mesmo peso de quando estava no auge”.

“Doris sempre esteve ocupada, mesmo quando se aposentou, sempre se mantinha em movimento o tempo inteiro”.

Enquanto Doris era abençoada com os luxos de sua carreira bem-sucedida, sua vida amorosa e familiar estava infestada de tragédia. Ela ficou com o coração partido quando seu único filho, produtor e compositor conhecido por seu trabalho com os Beach Boys e The Byrds , Terry Melcher, morreu em 2004 aos 62 anos após uma longa batalha contra o câncer. Seu neto, Ryan, único filho de Terry, trabalha atualmente como corretor de imóveis em Carmel, mas se recusa a falar sobre sua famosa avó.



Terry casou-se novamente na época em que Sydney voltou a trabalhar para Doris, nos anos 2000, e mesmo depois de ter se mudado para Santa Monica, ligava todos os dias para sua mãe. Fotografias de Terry estão por toda a casa, inclusive em uma vitrine. Sobre isso Sydney diz: “Tenho certeza de que em momentos íntimos, após seu falecimento, Doris deveria olhar muito para aquelas fotos. Terry era tudo que ela tinha. Eles eram muito mais que mãe e filho. Eles costumavam andar por toda a propriedade conversando”.

“Mas Doris nunca se sentia sozinha, sempre havia muitas pessoas para quem ligar, e acho que é por isso que ela também gostava de sua própria companhia. Ela nunca teve problemas em ficar sozinha”.

Apesar de sua existência nas sombras,  Doris ainda mantinha seus amigos leais famosos e recebia ligações de Ronald Reagan, sua co-estrela Rock Hudson e Ginger Rogers.

Sydney diz: “Ronald Reagan ligava quando era presidente. Ele dissera à imprensa que estava levando um de seus cachorros para seu rancho em Santa Barbara, já que era muito incômodo que ele ficasse na Casa Branca. Doris respondeu a essa declaração em um artigo na revista Parade, dizendo que esperava que o cachorro estivesse sendo bem cuidado agora. Então Ronald ligou pra ela e disse que o cachorro estava bem, que não precisava se preocupar”.

“Ela o adorava Ronald, eles saíam na época em que faziam filmes juntos, no começo dos anos 50. Até hoje ela diz que ele sempre está falando sobre política. Se ela tivesse feito tudo direitinho, teria se tornado a primeira dama”.

“Doris entendia o mundo de Ronald, achava que ele era um grande presidente. Ela é uma republicana de carteirinha”.

Sydney deixou de trabalhar para Doris em 1996 e se mudou para a Flórida, anteriormente afirmando que eles não se aguentavam mais.

No entanto, em 1998, o filho de Day, Terry Melcher, o convidou para uma visita e ofereceu o emprego de volta. Sydney voltou a trabalhar em 2000, durante seis anos.

Doris comemora seu 91º aniversário no dia três de abril, e Sydney lembra ter feito uma brincadeira com sua vitalidade sem idade. “Eu sempre dizia a ela: você vai viver para sempre, vai bater todo mundo. Ela apenas ria e dizia para eu parar de ser idiota”.

Opinião da tradutora do artigo:


  1. Qual é o grande problema em Doris sair na rua sem maquiagem e de calça de abrigo? 
  2. O fato de ela querer viver reclusa não faz de Doris uma louca. Acredito que em certo ponto os artistas ficam cheios da fama e só querem viver uma vida normal. Ninguém pode negar isso a ela.
  3. Doris comemorará 90 anos este ano e não 91 como a reportagem afirma (sim, sou chata e fã de Doris para corrigir!) 
  4. Daily Mail se supera no sensacionalismo cada dia mais, credo.
Publicado e traduzido por Jessica Bandeira.


Um comentário:

  1. Parabéns. Bela matéria. Muito boas as suas opiniões no final.

    ResponderExcluir